RZK – Capítulo 172

<< Anterior <<

Re:Zero Kara Hajimeru Isekai Seikatsu

Arco 4 Cap. 6

Juntos De Caminho Ao Santuário

Parte 1

 

Frederica: Eu não serei capaz de os acompanhar, então por favor tomem cuidado durante a sua viagem. E também, se fosse possível, digam ao Mestre que eu estou tomando conta da propriedade.

Era a manhã de sua partida, e a carruagem de dragão estava estacionada afora em frente à mansão. Vindo a dar-lhes as despedidas, com essas palavras, Frederica dobrou suas pequenas costas inclinando-se em reverência.

A sua forma enquanto se curvava em reverência era lindamente refinada, que qualquer um sendo agraciado por tal humildade seria influenciado em natural estreitamento de sua postura.

De qualquer modo, ao recebê-lo, Subaru e Emília se entreolharam.

Emília: Sou eu quem deveria desculpar-se, eu sei o quão caóticas as coisas estão no momento… Roswall está ausente, e eu sou quem deveria estar agindo de acordo, mas…

Subaru: Ainda assim, eu e Emília somos incapazes quando se trata de cuidar pela mansão. Mesmo que eu possa tomar conta de serviços rotineiros, todos podem ver o quão amador eu sou quando se trata de resultados. Eu tentei meter Otto no meio disso tudo pra tentar fazer alguma noção disso tudo, mas é como jogar água em lava.

Olhando pelos resultados dos últimos dois dias, Subaru podia apenas sorrir ao pensar o quão fútil haviam sido seus esforços.

Ele e Otto vagaram sem rumo através do escritório desorganizado, e a única coisa que eles descobriram foi que “É impossível sem ter uma explicação direta da pessoa responsável” … Esta afirmação praticamente resumia a extensão de seu progresso.

Frederica parecia ter uma ideia básica, mas levaria tempo para ela descobrir os acontecimentos desde seus meses de ausência. Na verdade, tomando em conta a quantidade de trabalho que é necessário para tomar conta da mansão, não seria certo aumentar sua carga de trabalho ainda mais.

Emília havia atentamente tomado conta de algumas tarefas, mas aparte disso, ela não tinha escolha a não ser assistir o resto ser feito, mesmo ela sabendo que o resto iria somente acumular.

Subaru: É igual àquele sentimento de quando você deixa de lado seus deveres durante as férias de verão, e depois a única coisa que você se dá conta, é de que é o primeiro dia do semestre. Embora eu nunca fui o tipo de cara que não entregava seus deveres há tempo.

Era um pouco desconcertante, ter que negligenciar coisas que realmente não deveriam ser deixadas de lado. Mas por mais que simpatizasse com o sentimento de culpa de Emília, e era verdade o fato que ele não podia fazer muita coisa para poder ajudar.

No final de contas, ele não era suficiente, então o único a ser feito era chamar alguém ainda mais competente,

Otto: A dragão terra está pronta para partir. Mesmo que tenha sido apenas alguns dias desde os últimos eventos e batalhas, a Patrasche de Subaru parecia estava esperando pelo soar do gongo para dar partida.

Subaru: Ela é uma garota bem esforçada, não é? Seu dono anterior deve ter tipo uma característica impressionante, diferente do atual… Você acha que ela é capaz de nos levar ao destino? Seria terrível nos perder no caminho e acabar perdidos.

Aquele quem se meteu na conversa era o homem sentado no banco do chofer da carruagem, conversando com dois dragões terra, Patrasche e Furufu —— Otto.

Desde que a Proteção Divina “Sussurro Animal” somente se aplicava a ele, para um transeunte, ele pareceria que lhe faltava um parafuso na cabeça enquanto ele conversava com dragões, mas Subaru não comentou isso.

Sem perceber que Subaru estava mandando um olhar amigável, Otto respondeu com um simples e direto “Uh-huh”, acenando.

Otto: As direções de Frederica foram excelentes, e não parece que há quaisquer problemas, estou seguro de que podemos completar a viagem em meio dia.

Subaru: Entendi, entendi…. Mas, estava você realmente pensando em vir junto mesmo?

Otto: É claro que eu estou indo junto!

Depois de Otto ter dado seu selo de aprovação nas direções dadas à Patrasche, Subaru assinalou e deu seguida a sua próxima pergunta, à qual Otto pisoteou a plataforma de madeira, arregalando os olhos.

Otto: Afinal de contas, essa será a meu primeiro encontro com o Marquês. Claro, fui eu quem pedi que você o apresentasse pra mim, mas imaginando que tipo de introdução você daria a ele se eu não estivesse lá…… é amedrontador demais, não posso deixar esse assunto nas suas mãos!

Subaru: Hey, hey, eu vou começar a sufocar com tanta confiança sendo colocada nos meus ombros.

Otto: Yeah, por mais que nós tenhamos nos conhecidos por um período de tempo tão curto, eu já confio em você 120% —— Eu posso estar seguro de que você vai fazer exatamente o que eu não espero que você faça!

Subaru torceu seus lábios às palavras de Otto, e Emília, que estava escutando silenciosamente até agora, largou-se de repente em uma gargalhada desenfreada.

Os dois homens se viraram para a origem da gargalhada ao mesmo tempo, e Emília timidamente levantou sua mão,

Emília: Sério, vocês dois são tão amigos. Sempre que eu vejo vocês juntos, vocês estão sempre discutindo tão amigavelmente, que me deixa um pouco invejosa.

Subaru: Se você assim o desejar, eu vou ser seu ter mais afeição para contigo também, com a diferença que eu vou estar te cortejando invés de discutindo. Eu vou mover o tempo de brigas com Emília-tan para o meu tempo com o Otto, e preencher o vazio com muito tempo de afeição amigável do tempo com o Otto para meu tempo com você.

Otto: Se você fizesse isso, não haverá nada entre nós além de insultos e socos!

Subaru estava bem seguro em sua habilidade com as palavras e seus insultos, mas quanto a entrar em uma briga mano a mano com o Otto, ele não estava completamente seguro que ele poderia ser o vencedor. Otto parece ser bastante gentil, mas Subaru sabia pessoalmente o quão forte ele era.

Num dos ciclos prévios, depois de uma discussão, Otto jogou ele para fora da carruagem. Sabendo que seu oponente não era um fracote, Subaru percebeu que suas chances eram bem finas se eles fossem brigar à sério.

Subaru: Pensando nas coisas assim, minhas habilidades em combate são bastante baixas. Eu já sabia disso, mas ainda assim é deprimente.

Como anteriormente mencionado, Subaru perderia para Otto, e é bem obviamente simples que ele perderia para Emília, que era uma usuária de magia. Ele já tinha sido derrotado por Frederica, e era desnecessário mencionar Rem que agora dormia pacificamente ou a reclusa Beatrice. Nesse caso, a única pessoa que Subaru era capaz de derrotar nesse momento era——

Subaru: Pensando nisso, a única pessoa que eu tenho alguma chance de derrotar nesse momento seria a Petra, e eu não a vejo por perto. Por que será?

Emília: Eu estou com medo de perguntar…, mas como que sua linha de pensamento chegou ao ponto de pensar em quem você era capaz de derrotar? Seja lá como for, Petra esteve o tempo todo da mansão… …Oh, aqui vem ela.

Um pouco surpresa por Subaru tentar conquistar uma vitória sobre alguém por processo de eliminação, Emília olhou em direção à mansão, seus olhos violetas cintilavam levemente. Sendo afetado pela ação dela, olhou na mesma direção, ele viu a forma de uma garota balançando suas mangas em seu recém feito uniforme de empregada enquanto ela corria para onde eles estavam.

Petra: Esperem, esperem um minuto! Suba— Subaru-sama… …!

Subaru: Você não precisa se apressar, eu não faria alto tão ignorante como sair de repente, somente Otto faria algo desse gênero. Certo, Otto?

Otto: Você não se lembra mais do que tu disseste a 3 segundos atrás?!

Sorrindo para a garota sem fôlego à sua frente pousando suas mãos em seus joelhos, Subaru trouxe Otto à conversa como uma leve provocação enquanto ele esperava a garotinha recuperar seu fôlego. Então, secando o suor em sua testa suavemente, Petra olhou para cima.

Suas bochechas coradas, olhos redondos pareciam simplesmente adoráveis. Ela soltou um longo suspiro, liberando sua fatiga, e mudou sua face angelical em um sorriso.

Petra: Eu queria lhe dar isso antes de que você partisse. Por favor, mantenha-o e leve-o contigo.

Com isso, ela estendeu sua mão, revelando um simples lenço que não continha nada fora do ordinário.

As laterais do lenço branco estavam atadas por um laço dourado, e as pontas de seu dedo o diziam que haviam sido feitos com bastante cuidado. Recebendo-o ele o virou para ver ao outro lado.

Subaru: Isso… é bordado. Oh, e foi muito bem feito.

Costurado através da superfície do lenço branco, estava o borde que havia sido mais provavelmente costurado manualmente por ela mesma. Foi feito com fios de cores prata, rosa e negro. Somente então, Emília, que estava dando uma olhadinha sobre seu ombro, soltou um pequeno sorriso [Ahaha]

Emília: É o mesmo Puck que você havia desenhado antes, Subaru. Oh uau, e foi muito bem feito.

Subaru: Meu Puck desfigurado, sim, foi muito bem feito.

Petra: Eu ganhei uma das estampas depois de ter ido para os exercícios cardíacos esta manhã na vila.

Esquecendo de falar polidamente, Petra puxou algo ao redor de seu pescoço. Era um cartão que Subaru havia feito e dado às crianças da aldeia, —— Todas as manhãs quando eles participavam dos exercícios cardíacos, ele havia estampado suas cartas com a imagem que ele havia encravado em uma batata, no lugar de uma estampa real.

Ela possuía em sua mão a estampa mais recente, a desfigurada imagem de Puck, “Segunda-feira Depressiva”. Ele deve ter trabalhado duro, picando os dedos com a agulha enquanto costurava o design.

Subaru: Está realmente bem feito. Como o Mestre da Costura, eu não posso aceitar derrota agora.

Petra: Você vai aceitá-lo… … ah, digo, você poderia pegá-lo por favor.

Subaru: Na verdade seria, “você poderia por favor aceitá-lo? —— E é claro que eu alegremente o aceito. É um desperdício ter que usá-lo para limpar sangue, lágrimas ou suor, então eu vou mantê-lo por perto como um sinal de boa sorte.

Cuidadosamente dobrando o lenço, Subaru, suavemente colocou-o em seu bolso antes de voltar a olhar para Petra. Então, o mais gentilmente possível—— ele olhou para os medonhos e estreitos olhos, e as afiadas presas do diabólico sorriso que estavam no momento apontados para Petra. Ouvindo as palavras dele, Petra colocou ambas mãos em seu rosto corado e desviou seu olhar.

Petra: Eis que esperarei pelo seu seguro retorno. Oh, e também o da irmãzona e do cara barulhento.

Emília: Isso parece mais ou menos como se eu fosse só o complemento…

Otto: Espera, não foi a avaliação de mim ou pouco dura demais?!

Emília e Otto responderam para as palavras de Petra com um sorriso irônico em seus rostos. Subaru não pôde conter-se e entregar-se aos risos, isso enquanto Petra parecia não se dar conta da pesada e densa atmosfera emanando de Frederica atrás dela.

Ele não tinha dúvidas de que assim que eles partissem, Petra seria posta diante da dura disciplina de Frederica. Petra, aguente firme!

Subaru: Bom então. Por mais que seja duro deixá-las para trás, nós devemos seguir o nosso caminho.

Emília: Se nós passássemos tempo demais aqui conversando, seria um desperdício ter-nos preparado para sair tão cedo.

Subaru interrompeu, colocando um fim para a animada conversa, antes de subir ao cargo da carruagem. Depois disso, ele estendeu suas mãos,

Subaru: Se não se importasse, Emília-tan. Venha aos meus braços.

Emília: Estou segura de que seria interessante ver a paisagem a partir da plataforma do chofer… de vez em quando?

Subaru: Ahh, que crueldade! E . M . K [Emília-tan a Maior Koakuma*] Oh, AHHHRGH!

*Pequena Diabianha

Sendo tratado tão cruelmente, Subaru estava quase ao ponto de retrair sua mão, quando de repente ela foi puxada tão forçadamente que ele por pouco caiu da carruagem enquanto Emília passava casualmente ao lado dele.

Seus cabelos prateados balançaram contra seu nariz enquanto ela passava, até o momento de ela sentar-se no bem espaçoso interior da carruagem, Emília sorriu para o quão apertado Subaru o estava usando.

Otto: Okay então. Todos se segurem e tomem cuidado para não morderem as línguas por favor.

Subaru: De volta pra você, não balance demais a carruagem. E se você for forçosamente usar os freios——por favor use o sinal que combinamos anteriormente. Sem isso, vais ser difícil eu saber a hora de puxar Emília-tan aos meus braços.

Emília: Você está planejando mesmo fazer algo assim comigo?!

Otto: Eu! Eu nunca ouvi uma conspiração maligna tal qual em toda minha vida?! Espere, além do mais, quando é que eu me tornei seu cúmplice?!

Emília tornou seu olhar de quase-desdém para ambos Subaru e Otto, e não parecia reconhecer os gritos de protestos vindos de Otto para a falsa acusação. Pensando que ver os lamentos de Otto para com a injustiça contra ele lhe cabiam mais que perfeitamente, tal como se nada lhe tivesse a respeito, Subaru ergueu suas mãos ao ar,

Subaru: Okay. Destino: “O Santuário”. Vamonos de partida——!

Otto: Quem você acha que é pra dizer isso!?

Olhando para Otto resmungando desde o banco do chofer, Subaru disse [você não é bom o suficiente para ficar animado, é por acaso?] reclamando em resposta à Otto, antes de meter sua cabeça pela janela para ver aqueles que ali estavam para presenciar sua partida.

Subaru: Okay então, estamos deixando a mansão sob seus cuidados. E também…. Estou contando com vocês…. para tomarem conta da Rem.

Frederica: Por favor, conte comigo. Em retorno, deixarei Emília-sama e o Mestre em suas mãos.

Petra: Tomem cuidado, e voltem em segurança.

A voz de Subaru nada continha de seu tom descontraído comum, ao momento que se preparavam para partir; Frederica e Petra se curvaram ao despedir-se.

Depois desta estupidamente formal despedida, desta vez, Subaru decisivamente——bem, infelizmente, não sem quaisquer hesitações, cortou seus pensamentos e preocupações com respeito à mansão.

Subaru: Ei…Por que ainda não demos partida Otto? Você é len——to

Otto: É impossível pra mim entender esse tipo de tratamento!!

Em troca deixando quaisquer resíduos de tensão, eles se foram de caminho para o Santuário.

※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※

Frederica: Suponho eu que terei de educar-la quanto a como falar respeitosamente, e também a curvar-se apropriadamente outra vez.

Petra: Eu estou tão arrependida de meus erros. É sé que… …Eu queria ser mimada, mesmo que só um pouco.

Petra rapidamente baixou sua cabeça, seu gesto aproximadamente imitando perfeitamente os ensinamentos de Frederica. Ela uma aprendiz veloz, e podia aprender coisas rapidamente, e era certamente uma aluna digna de ensinar-se.

O acontecido de momentos atrás era entendível de acordo com a idade dela, então não havia o porque de repreendê-la por uma coisa tão pequena.

Frederica: Eu sei que anteriormente Subaru-sama era um amigo próximo seu e Emília-sama da mesma maneira nos últimos dias. Contudo, ainda é impróprio esquecer-se da relação entre uma servente e seu empregador.

Petra: Sim senhora. Estou profundamente arrependida.

A garota estava consciente do fato de que seu comportamento havia sido egoísta.

Ela poderia haver-se comportado exatamente da maneira como lhe havia sido ensinado, e haver dado seus adeus à Subaru e o restante apropriadamente, mas ela havia intencionalmente separado a si mesma de seus deveres como uma servente, e escolheu despedir-se de todos como uma simples menina… deve haver tido uma razão específica para isso, ou quizás a razão era uma de não tanta importância, mas era uma da qual ela não podia renegar.

Frederica: Não há pretextos para seguirmos a discussão sobre este tema. Invés, como penalidade pelo que hás feito, você irá fazer cópias à mão durante o resto da tarde.

Petra: Uuhh… …O número de tópicos vai aumentar ainda mais?

Frederica: Deverias estar preparada para tal coisa no mínimo. E se, já houveras calculado tal pena para compensar pelos seus atos, então eu estou ansiosa para presenciar seu futuro como minha estudante.

Dizendo isso, Frederica deu de palmas como dizendo [agora então], continuando,

Frederica: Mesmo se por ora Emília-sama e o restante estejam ausentes, Beatrice-sama, todavia permanece na mansão. Pois então não devemos permitir-nos cair em desleixo em nossas refeições e limpezas. Se não o finalizamos rapidamente, não haverá tempo o suficiente para estudos. Então Petra, acelere e finalize suas tarefas.

Petra: Sim, senhora. Eu irei o os terminarei prontamente!

Vendo a pequena menina correr aos seus afazeres, suas roupas agitando, a boca de Frederica relaxou tal qual em um suave e doce sorriso, revelando suas presas. Com uma reação espontânea, quizás involuntária, ela cobriu-as com sua mão. E olhou em direção ainda a já não visível carruagem se havia ido——ao ponto onde Emília e os outros se retiraram da mansão.

Frederica: Aconteceu tal qual houvestes predito meu Mestre. Quanto à se serão capazes de sobrepujar as provações do “Santuário” ou não, está nas mãos de Emília-sama e Subaru-sama agora.

Fechando seus olhos, ela deixou a gentil brisa derramar sobre ela.

Frederica: Será Emília-sama capaz de vencê-la? Confinada ao sangue da Bruxa, o inescapável impasse que é o jardim do paraíso——

※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※

Parte 1.5

 

Subaru: Então, no final das contas, o Puck até agora ele não deu as caras?

Emília: Não, ele não apareceu até agora. Eu tento chamá-lo, e eu ainda sinto a sua existência dentro do cristal, mas… …essa é a primeira vez que ele desaparece por tanto tempo, então estou um pouco preocupada.

No suave galope da carruagem, sentados juntos, somente as vozes de Subaru e Emília ressoavam no interior.

Sob a Divina Proteção de “Evasão de Vento”, O som do vento e todos os ruídos afora eram praticamente cortados da carruagem. Mesmo enquanto iam à grandes velocidades, a quase inexistente turbulência e som fazia com que isso realmente se parecesse à um sonho.

Quizás, esse era um verdadeiro sentimento de luxo que provavelmente se sente, ao sentar uma desses bancos premium dos trens bala de Shinkansen, mas Subaru nunca teve a oportunidade de experimentar a esses assentos, e nem mesmo sequer os assentos normais.

De qualquer modo, no quieto interior da carruagem, as palavras trocadas entre eles eram limpas e claras. E aqui, o tópico se sua conversa vagou para a mudança que os haviam incomodado durante os últimos dias ——sendo mais claro, a ausência da pessoa que estava normalmente ao lado de Emília, a figura paterna felina quem estava sempre impedindo os avanços de Subaru na Emília… Puck

Subaru: Agora que venho a pensar nisso, ele não tem dado as caras desde que retornamos à mansão, … A última vez que eu o vi foi quando…

Emília: Para mim, foi quando estávamos na Cidade Capital, quando estávamos na mansão de Crusch-sama. Eu pensei que tudo estava normal até então, mas não pude encontrar-me com ele novamente desde a manhã seguinte. Mesmo quando eu o convoco, ele não aparece… … Eu estava preocupada se eu o havia deixado zangado ou algo parecido.

Olhando cabisbaixa, Emília brincava com seu cabelo nas pontas dos dedos, tentando não mostrar sua cara para Subaru. Esses últimos dias, seu cabelo prateado estava arrumado em tranças.

Vendo Subaru estar encarando-a, tal como entendendo a intenção por trás do seu olhar, ela assinalou [sim],

Emília: O contrato final que eu fiz com o Puck a última vez que o vi foi “Manter o meu cabelo em tranças”. Depois disso, eu não fui dita o que fazer, então eu o mantive tal como está.

Subaru: Seu estilo de cabelo é o seu contrato com o Puck? Sério? Isso que é pegar bem leve… …. não é? Embora, que o estilo de cabelo é a linha de vida de uma mulher, então é como se o contrato de Puck estivera contendo uma vida…

Emília: Eu acho que é um preço bem leve de se pagar. Eu não o sabia até ter saído da floresta, mas ter entrado em um contrato com um espírito como o Puck, condições como essas são leves demais. Roswaal também estava bastante surpreso, em realidade, você aparentemente necessita ter quantidades enormes de Mana ou termos bem complicados;

Vendo Emília soltando os cantos de seus lábios enquanto ela falava, Subaru assentiu tal como se pensando em algo. Mas então, ele ligeiramente levantou sua mandíbula para sacudir Emília de seu fraco sorriso.

Subaru: Bem, por restringir até mesmo o mínimo do tempo de Emília-tan, para mim, eu creio ser um preço pesado demais a se pagar.

Emília: Frases como estas, se você as continuar falando tão facilmente vai acabar se tornando palavras superficiais. Se isso fosse algo importante então seria melhor mantê-las para os momentos mais importantes, eu acho.

Emília em voz alta declarou suas objeções às maneiras de como Subaru buscava por mais e mais oportunidades para flertar. Do outro lado, Subaru levemente ergueu as duas mãos e balançou sua cabeça,

Subaru: As frases secretas estão reservadas para serem ditas somente para Emília-tan em importantes cenas separadamente. Essas são para a minha vida diária contigo, um dos milhares leves coisas que tenho a te dizer, Emília-tan.

Emília: Sério, Subaru, você e sua lábia. …Oh não, talvez eu esteja com meu rosto corado, então não olhe!!!

Vendo Emília de repente cobrir seu rosto com as palmas de suas mãos, Subaru riu, confirmando que ele recebeu o que ele queria. E, tentando trazer a conversa de volta ao tópico, ele continuou com [bem ….]

Subaru: Desde que Puck está ausente, há preocupações sérias quanto à nossa força de combate durante essa viagem. Nós não podemos depender do Otto para lutas, e eu sou obviamente a pior das opções aqui. E, Emília-tan não é tão durona quanto quando está com Puck, certo?

Emília: Oh, você julga as coisas assim, huh? Mas saiba você, que eu ainda posso usar mágica mesmo sem estar com o Puck presente. E não é somente o Puck, eu tenho contratos com espíritos menores também. Eu não tenho quaisquer problemas em comunicar-me com eles, então eu estou confidente em mim mesma. Eu vou protegê-lo não importa o que aconteça.

Subaru: Oh não, que masculinidade… Isso vai significar que eu sou ainda mais patético do que eu já me considero, não… ah… Essas palavras, eu mesmo eventualmente irei dizê-las orgulhosamente para Emília-tan um dia, me aguarde.

Emília: Eu estarei esperando sem quaisquer expectativas*TLN.

*TLN-O significado aqui, ou melhor, o contexto, é o de indicar que ela não irá pressioná-lo ou, ter expectativas demais, ou seja, que aconteça quando acontecer, ela estará o esperando

Tal como comprovando as palavras de Emília, se chegando mais perto e se aproximando das pontas dos dedos de Emília, os espíritos menores apareceram vagando, brilhando. Enquanto eles se assemelhavam aos Demi-espíritos de Julius, suas existências pareciam fracas em comparação—— e por mais que seus poderes estivessem mundos à parte comparados às do Puck, no mínimo eles certamente não pareciam ser uma coleção de seres indefesos.

A única garota no grupo, sem dizer que era em quem ele tem um crush, ter que depender dela para proteção seria realmente vergonhoso…

Subaru: Isso dito, minha dependência em outras pessoas não tem mudado tanto desde a batalha contra a Baleia Branca. Eu estive completamente dependente da Rem na hora, e até mesmo antes disso… … Teve sequer algum momento em que eu fiz tudo por conta própria?!

Claro, essa era a estória desde a sua própria perspectiva, e poderia ser que ele estava desvalorizando demais a si mesmo.

Mas de qualquer forma, como não havia ninguém pra dizer que ele estava errado em sua conclusão, a reação horrorizada dele ao realizar essas verdades simplesmente passou de lado.

Subaru: Bem, O Santuário, huh. Na verdade, que tipo de lugar ele deve ser.

Depois de um pouco de autorreflexão, ele parou para admirar o cenário através da janela, murmurando estas palavras enquanto suspirava.

No momento, para Subaru, O Santuário era um lugar absolutamente desconhecido. O nome em si não dava a impressão de ser um lugar perigoso, mas os avisos de Frederica enquanto ela falava sobre o Santuário pesavam grandemente em sua mente. E dentre suas palavras,

Subaru: “Cuidado com o Garfiel”, huh

Emília: Você nunca o conheceu não é Subaru? Eu também só havia escutado o nome dele uma vez, e Frederica tampouco me disse algo mais a respeito dele.

Tal como se ouvindo os murmúrios de Subaru, as lindas sobrancelhas de Emília franziram ansiosamente também. A cena emergiu em sua mente provavelmente havia sido a mesma que estava na mente de Subaru. A cena em que Frederica os alertava a tomar cuidado com o homem chamado Garfiel, mas se recusando a dizer qualquer coisa a mais.

Mesmo quando Subaru mostrou sua insatisfação para a minúscula quantidade de informação que lhe foi dado, ela apenas teimosamente recusou-se a dizer uma palavra sequer, dizendo [É por que isso faz parte do meu juramento], e não falou uma palavra sequer depois disso. Emília e Subaru, não sabendo o que fazer, não forçaram o assunto ainda mais.

Subaru: Eu realmente deveria ter tentado tirar mais informação dela… Sabendo muito bem que ele seria um cara perigoso ela nos manda pra lá somente com um nome, isso é pouco demais.

Emília: Nada que possamos fazer a respeito, é um Juramento. Acordos são sagrados e invioláveis, nunca para serem quebrados. Contratos, Juramentos e Pactos, por mais que eles variem em gravidade, todos devem ser mantidos igualmente.

Balançando seu dedo, Emília recitou isso para o Subaru tal como lhe ensinado.

Contratos, Juramentos e Pactos, como um jogo de palavras, elas ressoaram dentro de seus ouvidos, e as perguntas repentinamente surgindo em sua cabeça, ele deixou escapar de seus lábios,

Subaru: Então, entre Emília-tan e Puck é um Contrato, e entre Roswaal e Frederica é um Juramento por obrigação moral. E então o acordo trocado entre o Dragão e o Reino, é um Pacto…. estou correto? Ou eu errei em algum lugar?

Emília: Bom, eles não são separados tão distintamente, mas, da maneira como eu entendo isso, Contratos são entre indivíduos, Juramentos são quando um grupo jura para o outro, e Pactos são acordos que transcendem indivíduos, e transcende até mesmo o Tempo… Foi assim que eu fui ensinada pelo menos.

Subaru: Entendo. Realmente isso se encaixa com o fato…

Acenando para a explicação de Emília, Subaru começou a violentamente coçar sua cabeça, continuando com um [Mas ainda assim, …]

Subaru: Embora estejam adornados com palavras tão doces e sublimes…. Acordos são Sagrados e Invioláveis, certo?

Emília: Acordos…. Promessas são coisas importantes. Claro, Juramentos, e até mesmo Contratos não tem o poder de proteger a si mesmos. Não existe essa força sobrenatural que nos obriga a cumpri-los, mas ainda assim, mantemos nossas promessas. Nós trabalhamos duro para mantê-las, okay? Mesmo que ninguém esteja observando, ou ninguém perceba, promessas são guardadas a todo custo. Seja tanto a outra pessoa ou eu mesma, nós daremos o nosso melhor para guardá-las.

Segurando suas mãos sobre seu peito, Emília travou seu olhar em Subaru, quem havia feito a pergunta como se fosse um assunto leve. O tom em sua voz era gentil, e não havia quaisquer intenções de culpá-lo… mas seu coração magoou ainda mais por causa disso.

※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※ ※

Parte 2

 

Emília: Por causa que nós acreditamos nessas coisas, nós damos nossas palavras, e damos duro para cumprir com elas. Por que promessas são mantidas para proteger a confiança entre um e o outro, certo?

Subaru: Sobre isso… eu sinto muito ― ―!

No interior da carruagem, sem o menor sinal de turbulência, Subaru caiu ao chão e derrubou sua cabeça diretamente em sua frente.

Observando-o arrastar a sua testa no piso em completo DOGEZA, por um momento, Emília piscou suas pálpebras em espanto, então segundos depois, refletindo no que ela acabou de dizer com as reações recentes de Subaru. Ela pareceu entender.

· Dogeza é cair-se prostrado e pressionar a própria testa e mãos no chão, para ajoelhar-se para um lorde ou quando orando para um deus

Emília: Oh, eu não estava com a intenção de te culpar ou nada parecido. Bom, é verdade que você não manteve as suas promessas, e depois nem sequer se desculpou, e inves se voltou contra me, então é verdade que eu estava tipo, “Mas que diabos é isso?!” …

Subaru: Ai ai ai ai ai ai ai meus ouvidos doem demais!

Emília: Mas então, ao pensar nisso, eu percebi que eu estava sendo injusta e somente estava vendo as coisas desde a minha própria perspectiva. Eu deveria ter ido e feito as pazes contigo logo após a briga, mas eu estava obstinada demais, assim que eu não o fiz, então a culpa era minha também, me desculpe, Sério mesmo, sinto muito.

Subaru: Ai ai ai ai ai meu coração dói!

Emília: Acordos e coisas do gênero como estas, talvez elas tendem a ser mais profundas e pesadas para mim… por que eu sou uma usuária da arte de espíritos, contratos são mais vitais para mim do que para uma pessoa normal. Usuários da Arte dos Espíritos devem honrar seus contratos com os espíritos acima de todas as coisas … então por isso sou um pouco sensível quando se trata disso…. Sim, então promessas pra mim são coisas indispensáveis, realmente algo super importante para mim. Agora, pensando nisso, Subaru, reflita no que você fez.

Subaru: Ai ai ai ai ai meu coração dói!

Enquanto ela dizia todas essas coisas, tal como se acabando de se lembrar do que Subaru fez ela passar, Emília começou a fazer careta. Percebendo isso, Subaru começou a pressionar a sua cabeça contra o piso com ainda mais força.

Estava claro agora a razão pela qual ela estava tão enraivecida com ele no Palácio Real.

Não era simplesmente raiva por ter uma promessa com ela ser quebrada. Para ela, promessas significavam muito além do que que ele sequer imaginava. Quando Subaru quebrou sua promessa tão facilmente, até mesmo uma pessoa de coração doce como ela não poderia permanecer calma.

Porque, sem percebê-lo, Subaru passou por cima de algo extremamente importante no coração de Emília.

Emília: Você já, refletiu em suas ações?

Subaru: Eu me arrependo. Com arrependimento mais profundo que os oceanos, mais alto que as montanhas, maior que a extensão dos céus, e mais imensa que a expansão do cosmos.

Emília: Okay, então eu vou te perdoar.

Suavemente cutucando a testa de Subaru assim que ele levantou a cabeça, Emília então tocou seus lábios com o dedo, com um leve sorriso. Aliviado que não havia nenhum sinal de rancor dela, e também por que seu gesto foi tão adorável, Subaru encontrou-se incapaz de encontrar as palavras para expressar-se.

Sem dar atenção a como Subaru estava movendo sua boca como um peixe respirando, Emília virou-se para observar a estrada a frente, e,

Emília: O Santuário, e esse tal de Garfiel. E Roswaal, e todos da vila…. Há tantas pessoas com quem tenho que conversar, desde já meu coração já está acelerado.

Subaru: Não se preocupe, eu nunca permitiria que você estivesse sob nenhum perigo. Por favor, confie em seu escudo secundário, euzinho.

Emília: Você é o segundo? Então, quem que é o primeiro?

Subaru: Nesse momento, ele está conduzindo a carruagem e flertando com a minha Patrasche.

Olhando para Subaru, que acabou de falar de Otto como saco de pancada sem seu consentimento, dessa vez, Emília não pode aguentar e explodiu em gargalhadas, Subaru estava contente, eu sua mente, ele se perguntava em quantos obstáculos ainda estavam os esperando adiante.

Desde o momento me que ele veio a esse mundo, ele tem sido presenteado com problemas e mais problemas um atrás do outro, sem sequer um momento para descanso.

Até mesmo no caminho em direção ao Santuário, preocupações e angústias pelo que lhes aguarda naquela terra desconhecida, estavam fermentando em seu coração. De alguma forma, a própria Frederica havia provocado isso, e também Roswaal e o fato de que o restante dos aldeões ainda não havia retornado somente aumentavam as suas perguntas, sem falar na sua inabilidade de trazer Puck à tona, e …. quem ele havia deixado para trás na mansão… lhe causavam preocupações sem fim.

Emília: Subaru, agora mesmo, você estava pensando na Rem-san não estava?

Subaru: …. Você conseguiu perceber?

Subaru havia de repente caído em silêncio. Observando a lateral de seu rosto, Emília inclinou sua cabeça.

Seus cabelos prateados deslizaram e caíram dos ombros dela com seu gesto, e levantando a ponta de suas tranças e jogando-a para o lado, ela disse, [Sim, eu posso], e,

Emília: Da mesma maneira que você sempre me observa, eu pensaria em você igualmente, também.

Subaru: Então isso significa, Emília-tan, você pensa em mim o tempo todo também?

Emília: Oh, na verdade, considere como a metade da metade da metade disso

Subaru: Isso significa que seriam 3 horas…!

Emília: Metade da metade da metade da…..

Subaru: Eu vou me deprimir se eu ouvir o valor exato então chega por favooor!

Aos prantos pedindo para que Emília parasse, quem estava contando o tempo real que ela pensava nele, Subaru soltou um pequeno suspiro e coçou sua bochecha, e,

Subaru: Eu confiei ela à Frederica e Petra, então não há razões para preocupar-me. Não deveria ter qualquer… mas ainda assim, essa angústia que não deveria estar se acumulando em mim, eu não consigo colocar em palavras.

Emília: Você se preocupa por que você está preocupado, não tem como consertar isso. Isso simplesmente significa o quão importante ela é para você. Para ser pensada assim por alguém, eu estou sinceramente um pouco invejosa.

Subaru: Deixe-me dizer isso agora mesmo, eu me sinto assim tão fortemente para contigo tanto quanto me sinto com …. espera, você acabou de me influenciar para dizer isso, certo?

Emília: Sim, eu fui um pouco maldosa agora, me desculpa.

Colocado sua língua para fora de ladinho, por aquele único ato ela perdoou tudo.

Em frente de Subaru, que não podia segurar os gargarejos em sua garganta, Emília disse, [Mas…], olhando para ele,

Emília: Àquela com quem você está mais preocupado é com a Beatrice, não é?

Subaru: … Não pode ser, mas, Emília-tan, estão nossos corações conectados um ao outra já? O “FINAL FELIZ” já está ao alcance dos olhos!!

Emília: Normalmente, você ficaria todo, “Não tem como eu estar preocupado com ela” mesmo você estando preocupado, mas hoje, você nem sequer disse isso. Isso deve significar que você está realmente muito preocupado.

Ter sido acertado em cheio, Subaru quase soltou um, “Guu”, e mordeu seus lábios com uma expressão contraditória em seu rosto. Mas ele rapidamente se recuperou disso, e,

Subaru: Preocupado? Eu não estou preocupado com nada. É só que, ter me despedido com uma briga como aquela, eu não pude me encontrar com ela depois disso. Então deixar a Mansão sem vê-la outra vez me deixou com um certo sentimento ruim, mas é só isso. Yeah, só um pouquinho. Um pouquinho bem minúsculo, só a pontinha da preocupação.

Emília: Isso soou um pouco impróprio pra mim, talvez tenha sido só a minha imaginação…

Subaru: Você não está imaginando nada não, era simplesmente eu mesmo.

Escondendo sua felicidade por ter conseguido a reação que ele estava buscando, Subaru olhou para Emília, que inclinava a cabeça, ainda sorrindo como se não tivesse entendido sequer uma palavra, e

Subaru: Se o complexo hikikomori* da Beako se tornar pior, tendo sido um hikikomori eu mesmo, eu sinto um pouco de responsabilidade a ajudar ela…

Emília: Hikikomori…. Subaru, você sabe bastante sobre isso, a Beatrice, ela vai sair de lá algum dia?

Subaru: Seria bastante complicado, pra falar a verdade. Sem ter uma boa oportunidade, simplesmente forçando-a a sair de lá não seria bom, mas levar tempo demais pra tomar alguma ação seria estar lhe dando liberdade demais. Esse tipo de hikikomori são um pé no saco de…. Espera! Eu mesmo já fui um deles!

Depois deste final estúpido, ele tentou corrigir o rumo da conversa mais uma vez,

Afinal de contas, já que eles estavam de caminho para o Santuário neste momento, não seria algo com o qual eles teriam que lidar até que eles retornassem à mansão.

Subaru: Quando voltarmos, tenho várias coisas das quais conversar com Beako. A última vez, eu não consegui fazer com que ela me contasse nenhuma das coisas que eu queria saber.

Emília: Beatrice e Puck, me dão a impressão de que eles sabem de todo tipo de coisas, e estão escondendo de nós.

Subaru: Eu tenho o mesmo sentimento. Até mesmo com Frederica, mas assim, qualquer um associado com a Mansão tem o hábito de dizer algo intrigante e depois deixar as respostas para depois. Isso já virou uma doença. E nem é do tipo bom de doença tampouco. Sem falar da Beako, retornando o Evangelho daquela maneira, dizendo coisas que eu ainda não consigo tirar da minha cabeça…

I Evangelho, cujo Beatrice havia atirado de volta para Subaru juntamente com suas misteriosas palavras, está seguramente sob a guarda de Subaru. Se isso simplesmente se tornasse um peso morto, ele o deixaria para trás, mas em caso algo acontecesse, ele poderia interrogar Roswaal sobre isso, então ele o trouxe junto com ele.

Mas já que isso era tão medonho, ele o mantinha bem ao fundo de sua mochila, tal como se quietamente o escondendo de vista.

Emília: ―― Eu acho que acabamos de entrar pela Floresta.

Emília de repente, levantando a cabeça, e jogando seu cabelo de lado, disse isso enquanto ela olhava tudo ao redor. Seguindo ela, Subaru também ergueu sua cabeça, mas de dentro da carruagem ele não foi capaz de ver afora imediatamente. Ao dar um passo afora e dar uma olhada, era verdade que as cores que o rodeavam haviam se tornado em um esverdeado bem escuro.

Subaru: Você ne sequer precisou olhar pra fora para saber disso huh?

Emília: Mesmo que seja metade, eu tenho o sangue de uma Elfo em mim. É dito que Elfos são uma raça das florestas, e então os Elfos e as florestas têm esse laço inseparável.

Então, assim que Emília disse essas palavras com um sorriso,

Uma repentina e sutil sensação, fez com que a pele de Subaru se arrepiar, e ele olhou em volta a procurar a razão de tal sentimento. Mas é claro, o impacto que surgiu através dos arredores, não era algo que seus olhos pudessem ver.

Dentro da carruagem, a Divina Proteção ainda os isolava de barulhos do resto do mundo,

Mas,

Subaru: ――!? Hey, hey!

: ―――――――

O esbelto corpo de Emília estava pendendo sem qualquer força, e assim, começou a cair, e Subaru, deslizando para de seu lado, conseguiu segurá-la a tempo.

Seu movimento parado pelo seu abraço, deitada sem qualquer resistência em seus braços, os olhos de Emília estavam fechados, em seu rosto estava uma expressão de sofrimento enquanto ela estava deitada ofegante.

Subaru: Heey! Emília-tan!? O que aconteceu, Emília!!?

Parecia que Emília estava incapaz de poder responder. Ela parecia como se estivesse em sofrimento, mas a partir de sua leve e acelerada respiração, e sua excruciante expressão, não havia quaisquer sinais de febre ou sequer suor.

Levantando-a levemente em seus braços, Subaru imediatamente percebeu que ele não conseguiria dar conta disso por si próprio. Então, apressando-se a frente, ele atravessou sua cabeça pela pequena janela que conectava à plataforma do motorista, e

Subaru: Otto! Tem algo de errado acontecendo, Emília de repente caiu inconsciente! Você tem algum remédio ou…..

As palavras aceleradas e impacientes de Subaru perderam seu rumo. Otto, a quem ele dirigiu essas palavras, tinha suor formando-se em sua testa. Virando para Subaru, ele respondeu com uma voz que parecia ter perdido toda a sua força.

Subaru percebeu duas coisas―― A primeira, era de que a carruagem havia parado. Patrasche e Furufu haviam contido seus passos, e estavam firmemente paradas entre as árvores. Tão imensas haviam sido suas emoções em sua conversa com Emília que ele não percebeu que a carruagem havia parado, mas agora, havia outro problema, e um ainda mais problemático.

Essa foi segunda coisa que ele percebeu,

????: S’metendo través d’aporta d’afrente sem dar satisfação, cê tem coragem, te digo, eim estrangeiro.

Como se cuspindo as palavras, diferente do literal contexto do que ele estava dizendo, não havia sequer o menor tom amigável na maneira como ele o havia dito.

Com apenas uma sentença, qualquer um poderia quase entender qual era o caráter da pessoa que havia dito essas palavras.

E verdadeiramente para essa primeira impressão, o homem exibindo a si mesmo em frente a carruagem parecia exatamente assim como ele soou.

Com um cabelo loiro pontiagudo, uma cicatriz branca em sua testa, o afiado olhar dele que não perdia para o de Subaru, e tal como as de uma besta felina, seus dentes caninos em sua mandíbula saltavam para fora, extremamente brancos. Suas encurvadas costas o faziam parecer de certa maneira uma pessoa de baixa estatura, mas a ferocidade em sua negra aura emanando e seu corpo inteiro removiam qualquer inclinação de subestimar ele por sua altura.

????: Num sei donde dos inferno cês vieram, mas cês parece ser tal como “uma estaca quem atravessa por um ponto vulnerável” tipo de cara.

Subaru: Huh, quê?

Ouvindo essa gíria estranha que ele nunca havia escutado antes, Subaru somente soltou um suspiro confuso, mas seu oponente, ouvindo, deve ter entendido isso como medo, e com uma risada de despedida, [Hahaa],

????: Oh, tá cum medinho eh. Mas é verdade que tu deu má sorte. Afinal, o lugar que cês tentaram entrar era um lugar, e sem falar, que cês deram de frente comiGO.

O homem gargalhou maldosamente, batendo as suas presas enquanto ele sorria, fechando seus punhos, ele abaixou sua postura, pronto pra briga. E com essa postura ele encarou ao seu silencioso oponente do outro lado.

Garfiel: Se encontrando com GARFIEL foi o final da sua sorte, agora SEJA DESTRUÍDO.

O Punk que havia se apresentado, falando incompreensivelmente, batia seus pés no chão.

Um momento depois, o sobrecarregado impacto, como se estivesse revertendo o mundo de ponta cabeça, chegou à Subaru.

>> Próximo >>

garfiel

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: